"

My Photo
Name:
Location: Portugal

17 July, 2007

Fico louco, tão louco, em noites de romaria


Sabemos, por leve experiência no espectro da música portuguesa, que aquilo que se projecta nas rádios e nas televisões nem sempre corresponde à adesão do público. Algúem ouviu falar de uns Zen, Ornatos Violeta, Primitive Reason ou Yellow W Van na televisão e na rádio. Têm álbuns, têm fãs, e já acabaram, porque não foram levados ao colo. Sim, João Gil e Luís Represas, preferimos ouvir música estrangeira a esta porcaria Pop/Rock pseudo-guitarrada que nos impõem constantemente. E maioria também gostaria de certeza, se metade da população portuguesa não fosse abrangida por um índice de iliteracia brutal, que a faz ser um patinho à espera do tiro do marketing manipulador. Na música isso é sintomático.

O que manda mesmo é o instinto dos promotores e Valentins que acabam por quase impôr ao público aquela música portuguesa tão boa, condenando esses artistas a uma vida de tocar em bailes de verão e gimnodesportivos locais. Uma dessas imposições, na nossa opinião é João Pedro Pais.

Porquê é que este gajo é conhecido? Digam-nos! Porquê? Canta bem? Toca bem? Tem boas letras? As músicas transmitem energia? O quê? Sinceramente, a nós, parece-nos algo estranho como é que projectaram este gajo para a ribalta, que ao contrário dos Ena Pá 2000, não assume que escreve palavras só para rimar. "Quando te toco pela última vez, o trem arranca depois das três" ("Nada de Nada"), "Há quem queira por-me em cima de um altar, há quem diga que sou a sorte e o azar" ("Louco por Ti") ou "Quando estás só sem ter ninguém, vai mais além" ("Deixa o Coração Falar"); são apenas três exemplos da mestria lírica deste cantor português. Em três palavras, és muito mau.

Porquê? Mas porquê? Só na escola aqui atrás de nós dá para encontrar cinco ou seis putos que tocam guitarra, dois ou três eram perfeitos "Jões Pedros Paizes", na boa. E quantas escolas e putos tocadores não há?! O homem não toca nada, a estrutura das músicas verso-refrão-verso-solo-refrãox1000 - hello! século XXI? - é chata pa chuchu, entala a escarreta para fazer voz de Bryan Adams, as letras são do mais cliché que há. Os temas, são sobre O Amore, até aí tudo bem, mas será que isso se esgota no "tu estás aí, eu estou aqui, eu gosto de ti, mas tu és rebelde, não te importas comigo, mas estás sozinha, chama um amigo, que ele já vai"?; além de que depois repete a ideia no refrão até acabar a fita. Quem se lembrar de alguma canção dele, raramente se lembra do verso, dado que o refrão é repetido à exaustão, ao ponto de apagar qualquer impressão mental do resto da música. É envelhecer no mesmo sítio a ouvir "Fico louco, tão louco, louco por ti, fico louco, tão louco, fora de mim" ou "Não dizes nada, se não estou, ficas calada, se me vou, tu não sabes, nada de nada"; até à morte.

E se o João Pedro Pais é mau, vai piorar outra artista que sempre esteve algo na corda bamba. Mestre da canção ligeira, e isso até musicalmente o podemos reconhecer, Mafalda Veiga é dona de uma voz inconfundível, que por vezes atinge os píncaros da Serra da Estrela, ao mesmo tempo que toca para as planícies do Alentejo. A música não é assim tão má, mas a marca pessoal é. Ai as flores, e as montanhas, e as aves, e as flores, e as montanhas, e as aves, e as flores... e a vida é bonita, e guarda o meu amor e chalálálálá. Mais genuína e criativa que o Pais, isso sem dúvida. Tem é uma música chamada "Restolho".

Mafalda, porquê também tu? Também gostas do João Pedro Pais? Porquê? Os dois lançaram um álbum gravado ao vivo, chamado "Lado a Lado". Está à venda, e vai ser promovido pela dupla durante o Verão. Não sabemos qual é o resultado disto, mas ouvir João Pedro Pais a cantar Mafalda Veiga deve ser de chorar a rir. Para além disso, são os dois bonitos pa chuchu.

Esta entrada foi escrita com a noção de que um estilo de música não pode ser mau apenas porque não gostamos dele. A música ligeira portuguesa não é a nossa preferência, mas o que é bom é sempre bom...em noites de romaria.

7 Comments:

Anonymous Anonymous said...

Eu sempre disse que não havia nada mais irritante que Mafalda Verga, mas não é verdade...há......é João Pedro Pais.......doi, doi muito.
Agora juntos.....fogo, é brutal, ao menos não se estraga duas casas, como se costuma dizer.
BigSys

1:43 AM  
Anonymous Marta said...

Imagino-te como um indivíduo extremamente bonito, intelectualmente, muito estimulante e deves ser o responsável mor pelo arrumo dos iogurtes líquidos num grande hipermercado. Acho é que tens a manga da bata um pouco desgastada nas zonas do cotovelo. Dói muito? A ver: escreves na primeira pessoa do plural, és a voz de um povo! Valente.
(Primitive Reason estão em tour, Ornatos também andam aí mas camuflados.) beijo grande, és um fixe

6:07 AM  
Blogger D.T. (J.) said...

Há umas cenas que aprendemos no curso de repositor de iogurtes líquidos no hipermercado sobre a escrita. Uma delas é que, mesmo sendo uma pessoa singular, o autor de um texto pode optar por prescindir da primeira pessoa quando expressa uma opinião pessoal. É uma questão de estilo, e há até mesmo professores na universidade que proíbem o uso da primeira pessoa. A Voz do Povo é um blog, está aí o link se quiseres ir ver.

No cotovelo não me dói nada, já que o meu trabalho obriga-me a um maior esforço nas zonas lombares. O hipermercado dá-me trabalho demais, por isso não tenho tempo para saber onde andam as bandas que gostava. Pá, como não as ouço nos altifalantes do hipermercado, um gajo pá, isto tá difícil.

PS: Beijo grande, és uma fixe!

7:06 AM  
Blogger MiSs Detective said...

"a tua cara a flutuar" também é bonito! essa é da musica mentira Mas é mentira!
Mentira! Mentira! (30 xs) mas qué issod a cara a flutuar?? WHAT A FUCK??!!

O D.T. é o melhor repositor que eu conheço, lá no minipreço não ha ninguém que chegue aos seus calcanhares, se calhar aqui o mais apropriado será aos seus cotovelos.

beijinhos D.T.
para a semana trocamos de turnos ok?!

7:25 AM  
Anonymous Filipa Antunes said...

D.T... não compare o João Pedro Pais com a Mafalda Veiga... (não vou falar das letras dele porque eu também me rio um bocado.) é verdade que a Mafalda Veiga é muito mais criativa que do que o João Pedro Pais, e é muito mais outras coisas.
a parte das aves e das montanhas é que, demonstra que não tem acompanhado (no seu direito) a carreira da Mafalda Veiga (o que lhe tira a credibilidade em certas criticas), isto porque esse tipo de termos, (que convinhamos, não existem na discografia dela) quando muito remetem para o primeiro cd da Mafalda (ela tem penso que uns 6 albuns de originais), cd esse lançado em 1987, ou seja há exactamente 20 anos, quando ela tinha também uns 20 anos e quando se fazia músicas em portugal e no mundo com o carisma e o gosto (algumas vezes duvidoso, mas importante) dos anos 80.
gostando-se ou não da voz, do estilo musical, a Mafalda Veiga é hoje a melhor escritora de canções em portugal (isto para quem conhece algo mais do que o "restolho" obviamente...), acho que não há duvidas disso!

8:07 AM  
Blogger D.T. (J.) said...

Cara Filipa,

Na entrada reconhecemos que musicalmente, Mafalda é uma mestre da canção portuguesa. Disso não duvidamos. É verdade que nos baseamos também na nossa ignorância para criar um pouco de humor em torno desta união de Mafalda Veiga com João Pedro Pais.
Contudo, estamos longe de pensar que os dois estão ao mesmo nível. Obrigado pela contextualização musical. Prometemos fazer uma pesquisa sobre a Mafalda sem que a pobre seja avaliada pelo que fez na idade negra, onde reinavam os Heróis do Mar, os Da Vinci e os Ban.

8:31 AM  
Blogger Juani said...

Até que enfim que alguém me compreende. Há já uns anos que penso que sou a única pessoa que não entende porque é o João Pedro Pais cantor e porque é que tem sucesso?
Depois há o meu ódio de estimação pela Mafalda Veiga, esta sim já considero cantorae com alguma qualidade, mas simplesmente não gosto.

6:21 AM  

Post a Comment

<< Home