"

My Photo
Name:
Location: Portugal

10 July, 2007

More than meets the eye.


Ontem fomos ver os Transformers. Parecendo que não, não foi pela americanada de produção que aquilo é que deixámos de nos emocionar com tanta nostalgia impressa na capacidade que filme tem de tansportar o Optimus Prime para a nossa realidade. Pena que a realidade seja diferente hoje, do que a vida tenra dos 7 anos de idade. Faltava cá um daqueles para abanar este país. Que aconteceria, contudo, se o governo conseguisse deitar a mão a uma máquina destas, tal como o fez com a RTP e com a maioria absoluta?

Viemos da América, compreenda-se, é sempre a arrebentar tudo é que era pá!

PS: A América estupidificou um bocadinho este blogue, sabemos. Ainda temos de absorver um bocadinho de xico-espertismo. Até já.

4 Comments:

Anonymous Anonymous said...

Gostei do filme!
Fez-me viver intensamente o que é estar do lado dos bons...hihihi
No cinema passa-se comigo aquilo que se deve passar com muitas outras pessoas e o que definitivamente não se passa com outras. "Entro" sempre nos filmes sem pedir licença. Mas “entro”, se começo por gostar do filme.
Quando começo por não gostar, e nenhum momento me surpreende ao longo do filme, raramente dou hipótese e fico sentada na sala de cinema a pensar que se paguei o bilhete, ao menos que veja até ao fim para poder criticar de minha justiça.
Quando gosto, faço a minha própria pós produção, rio-me, tenho medo, emociono-me e choro até com as cenas mais ridículas. E acredita que às vezes é nas mais ridículas mesmo. Admito! Mas "entro" no filme e não me sinto sentada numa sala de cinema.(sempre que as pipocas do mundoluso não me saltem para os ouvidos)
É obvio que as vivências nos filmes dependem de perspectivas, mas há quem que por muito que esteja a gostar, nem por isso entra no filme, continua espectador.
Neste filme chorei porque um transformer protector se feriu gravemente. Como é possível? E é, no entanto. Pelo menos, para mim foi. E gosto quando os filmes têm esta capacidade de me levar para além da realidade. É a ideia não?
Beijinhos, L.

2:53 AM  
Blogger D.T. (J.) said...

BEIJINHOS, BEIJINHOS, BEIJINHOS, BEIJINHOS

7:30 PM  
Anonymous Anonymous said...

Choraste com um transformer, L? Bem, eu não vio este filme (aliás como nenhum há mais de um ano)mas isso ou é hiperensibilidade ou TPM.
BigSys

1:46 AM  
Anonymous Anonymous said...

Hipersensibilidade, TPM, whatever! Veio a lágrima com este e com muitos outros, lá porquê não estou muito ralada, é a capacidade de chorar ou de rir...são as dicotomias da vida! :) :(
Laura

9:58 AM  

Post a Comment

<< Home