"

My Photo
Name:
Location: Portugal

31 January, 2007

Parabéns Stoffelman!!!


Queríamos com esta entrada dar apenas os simples parabéns ao nosso amigo João Diego Stoffel , pela sua merecida e suada vitória nas eleições para a Direcção da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa. Foi com muita capacidade de liderança e sentido quase estadista que conseguiu juntar na sua Lista A os mais ferozes animais políticos mirim daquela instituição de ensino superior. Dizia um antigo associativista, que conosco se sentou na mesa do jantar da consagração: "estas eleições são mais difíceis de ganhar que algumas Câmaras Municipais". E ainda bem, porque se todas as listas concorrentes aos municípios fossem "pluriparticipadas" como esta que agora ganhou, ao nível junior, não haveria cassiques nem quintais privados - acham mesmo?

Parabéns Lista A!

25 January, 2007

O Nosso Pensamento do Dia 2 (que titulo original!)



"O Sócrates é o David Bowie da política portuguesa, ninguém sabe qual a orientação sexual que prefere , e de mês a mês a música é de um estilo diferente."

24 January, 2007

Filmes históricos que desensinam a História


Apocalyto. Um bom filme em termos cinematográficos, pensamos, mas uma péssima lição de história. Pronto, só para perceberem do que é que vamos falar desta vez.

Depois do Gladiador, onde o Russel Crowe ganha mais poder que o Imperador de Roma; do Tróia, em que havia templos em honra de Apolo em plena praia, e onde se juntou um exército grego maior do que se fosse na Primeira Guerra Mundial (tirando o facto de que a um quilómetro de distância toda a gente gritava, "olha, vai ali o Aquiles"); da perseguição na selva do Alexandre, O Grande; ou da transformação de Tom Cruise no Último Samurai, no auge do conservadorismo aristocrata japonês anti-Ocidente; eis que nos surge Apocalypto.

Achamos bem - e, aliás, a Paixão de Cristo é um bom documento - que se ensine história e se revele os contornos de episódios épicos de uma maneira humana, utilizando todas as técnicas modernas para aproximar o espectador do que realmente se passou na história, ou História, que se pretende contar. Apesar de assumidamente não ser pedagógico o objectivo deste filme, Apocalypto faz isto perfeitamente, mas distorcendo os factos e mostrando aquela gente Maya como se fossem uns primitivos sem escrúpulos que se chacinavam mutuamente. É verdade que comiam mal e não tomavam banho, mas não é por isso que são género satânicos "dark side".

As tendências ideológicas retrógradas de Mel Gibson, toda a gente as conhece, mas, pelo menos podia ter tido um bocadinho só de cuidado no estudo. Ora bem, ele cria um envolvimento com o povo Maya no qual recria a existência de idílicos aglomerados recolectores - e não agrícolas, o que seria, na civilização Maya, virtualmente impossível -, sem qualquer tipo de conhecimento da metrópole existente mesmo ali ao lado. Primeiro, este é um tipo de isolamento que nunca caracterizou o desenvolvimento abrangente desta civilização. Segundo, não foi num estado de atraso deste género, por um lado, nem uma civilização Maya com aquele tipo de arquitectura e governação mística da sua era dourada - que acabou em 900 d.C. -, por outro, que os espanhóis encontraram os Maya pela primeira vez.

O facto de estes terem gosto pela tortura e pela morte também não é bem verdade, pois os alvos dessa tortura eram normalmente dirigentes de grupos rivais, com o intuito de provar simbolicamente a supremacia, e não membros "civis" de uma tribo. Também não há indícios de que houvesse prática de "recolha" de escravos nas selvas. Primeiro, porque os escravos eram constituídos principalmente por prisioneiros de guerra, e, depois, porque nenhuma comunidade agro-pecuária viveria isolada no meio da floresta, preferindo as clareiras para se estabelecerem. Por fim, nenhum centro político Maya estava separado por mais de 20 quilómetros de distância, tornando esse tipo de reclusão difícil de acontecer.

E pronto, aí esta a nossa pequena destruição do Apocalypto, apesar de termos, de um modo geral, gostado do filme, não pudemos deixar de expôr os tendenciosismos marketizantes com que foi escrito esta longa-metragem. E como sabemos nós tantas coisas? Já se pensava que nós sabíamos alguma coisa! Não! Fizemos uma pesquisa na Internet e informámo-nos, mas teríamos tido metade do trabalho se tivessemos lido logo esta entrevista do National Geographic. Leiam, não acreditem naquele gajo que fala mal inglês que mete medo e que entrevista as estrelas todas na televisão!

18 January, 2007

Despenalizaçãoaria Pegada!

Levou algum tempo até que, pela observação da "batalha" do referendo sobre a despenalização do aborto, nos lembrássemos de escrever uma entrada sobre esta questão. É óbvio, e estreando-nos nós em opções político-ideológico- sociológicas neste blogster - para além daquelas que se debruçam sobre o inevitável facto latente e real de, muito provavelmente, o Nuno Rogeiro ser tão palerma e mal penteado como o Jorge Jesus -, dizemos que vamos votar SIM à despenalização do aborto. Já o dissemos, temo-lo dito - porque, como alguém disse, "tenho dito" está na moda...

Agora, não nos resta senão atirar-nos à campanha conservadora e ignorante do NÃO, que, passados 9 anos sobre o último referendo, continua a bater-se de argumentos tão estúpidos quanto infundados, ou não seria a Igreja, sim, essa insituição com tanto jeito para a política dos pobres, a dar a grande força ao Movimento reaccionário. Antes de prosseguirmos com a chacina político-verbal, permitam-nos que deixemos um desafio para ambas as campanhas: a sério, não custa nada arranjarem um designer amigo para vos desenhar os logos e os panfletos, porque aquilo que se tem visto está aos níveis das rifas para a quermesse das festas da escola; e das fracas!

Ora portanto, porque é que nao se pode fazer um aborto? "Porque non". Então mas e, se não houver condições para tratar da criança, vão condenar a paragem de uma coisa, que até às 10 semanas uns acham que é vida e outros não, a viver na infelicidade ou à guarda do Estado, consumindo-lhe os recursos para uma vida miserrável? "Xim, porque axim nos diz Deus noxo xenhor, do qual nós xomos a sua boz". Sim, e se nós não formos católicos, porque temos de enterrar a nossa vida por causa de um erro de percurso? "Porque xim". Então, mas e se depois...? "Porque xim". Então, mas...? "Porque xim, tá biblía, o Papa dixe, então, é axim."

É basicamente uma coisa deste estilo que é o cerne da questão dos Movimentos pelo Não, no qual o "porque sim" e o "por que é assim" fundamenta tudo. Toda a demagogia é elaborada a partir daqui, uma estupidez a seguir à outra. É óbvio que são incontáveis os argumentos inválidos avançados pelo movimento pelo NÃO, sempre com aquele toque católico romano, que lhe dá um ar ainda mais pitoresco, mas irritante, contudo, pela popularidade que continua a ter, no século XXI! Uma crítica não-cientificamente provada a um slogan, porque nós gostamos de ser críticos:

"Pagar clínicas de aborto com os nossos impostos? Não, obrigada". Muito bem, ganda campanha hã? Isso e que é convencer! A mentira nasce aqui quando, com os nosso impostos, já são pagos os períodos de prisão das mulheres condenadas, as custas judiciais dos processos, as investigações, as complicaçoes clínicas provocadas por abortos clandestinos mal-sucedidos, a educação das crianças de mãe julgada e sem condições de custódia, e outras complicações facilmente imagináveis. Reservar uma sala num bloco de partos para condignamente acolher estes casos nao parece mais barato? Hm...

Bem também não sabemos bem, mas sabemos, sim, que aquele senhor Arcebispo de Braga - desses a quem ainda chamam "Dom" não-sei-quê, porquê, não sabemos - que comparou o aborto até às 10 semanas com a execução de Saddam, não pode estar bem da cabeça, ou não sabe que o Saddam já tinha mais de 10 semanas. Enfim, uma boa crítica à la Santa Igreja, a aproveitar um pouco da actualidade, reforçando a mensagem aos ouvidos dos crentes.

Votarem em consciência Portugueses, e verem bem a quem ouvem.

13 January, 2007

O Nosso Pensamento do Dia (que título original)


"A Igreja é a Olivedesportos da História"

08 January, 2007

Contra o Lobby!

Estás farto de ver prédios em todo o lado? PDM's que não são respeitados? Espaços verdes que não existem? Novos bairros com mais carros que estacionamento? Centros históricos transformados em condomínios de luxo? A contaminação turística das costas? Então junta-te a nós!

O Blogaria Pegada está a pensar - sim, só a pensar - como é que há-de formar uma ONG ("associação sem fins lucrativos" em linguagem Diáriorepublicana), de observação às actividades do lobby da construção civil portuguesa. Para isto, é preciso pessoas de vários tipos de formação, e, se possível, alguém na PJ que perceba de ilusionismo, para descobrir como é que eles fazem desaparecer regulamentos e planeamentos municipais.

Porque é que falta um grupo assim em Portugal? Porque é que os há em África ao pontapé, desde ONG's humanitárias, ambientalistas, cooperacionistas, "desenvolvimentistas", observatórios políticos, protecção das formigas, comissões de conservação do dedo do pé grande; e nós cá, com um problema como este, não temos nada - se as houver, comuniquem hã!

É preciso travar esta praga, e, se aquele Forum Cidadania Lisboa, que tem muitas estrelas da companhia, mas que pouco faz - e é só em Lisboa - não se quiser juntar a nós, teremos que reunir - se der para isto ir para a frente, deixa lá ver - um conjunto de pessoas ainda mais atentas, e preferencialmente juntar-lhe a Bárbara Guimarães ou o Maestro das manifs.

Esperamos uma adesão em massa ao nosso projecto, que, à boa maneira portuguesa, ainda estamos a ver se vai para a frente - projectos concorrentes à maneira estrangeira procuram-se!

05 January, 2007

O Maior Início deste Ano


Aí está ele, como novo! O Mercado fechou, mas o Mini-Mercado abre hoje as portas em sua substituição. Depois de termos anunciado com tristeza o fecho daquele espaço da noite de Lisboa, eis que somos agora arautos do seu rebento. O Mini-Mercado estará instalado no espaço do antigo Fluid, na Avenida D. Carlos I em Santos. E, é verdade, inaugura hoje com os DJ's Ricardo Manaia (el primero), JK, Kaspar, Lucky, Jalex, Mr.Cheeks, Pana Sorbe, Soulflow Dj's e Señor Pelota.

O novo espaço terá o senão de não poder acolher música ao vivo, como o seu antecessor, mas promete ser uma casa à altura do seu pai/mãe (depende quem lhe chama discoteca ou descobar), onde a qualidade estava sempre salvaguardada (só as bebidas é que eram um bocado caras, mas também não se pode ter tudo). E, nos dias que correm, acreditamos que seja difícil manter-se aquele nível, sem se ser um Velvet a pingar de tédio.

Por isso, Blogaria Pegada e seus leitores imaginários desejam à nova casa toda a sorte, e apelamos aos pézinhos de dança que corram para lá hoje à noite. Mini-Mercado, não há que enganar, no antigo Fluid ao lado da padaria, da Sociedade Guilherme Coussoul, do antigo Neutro, do Refúgio das Freiras e do Resina, do outro lado da rua do Chafarix.

03 January, 2007

Dois mil e setaria Pegada!

Obrigado!
Espero que não pareça uma mensagem pré-definida de boas festas daquelas que muita gente gosta de mandar, facilitando os pagamentos de subsídios de Natal às operadoras. Mas Obrigado a todos os que se divertiram na passagem de ano, não só os que conosco estiveram, mas a todos aqueles que consguiram tornar os seus reveillons numa noite diferente, e não apenas uma bezana como outra qualquer. Nós, que desencatados estávamos com esta celebração anual, por ver que já ninguém se importava com outra coisa senão matar a cabeça, voltámos à inocência adolescente, olhando para a festa de Ano Novo como a grande festa do ano.
A todos os que conosco estiveram na festa da Costa Rica Praia Grandense, e a todos os que acabaram as suas respectivas festas a sentir o mesmo que nós, obrigado!

PS: Não acreditamos em cordões de harmonia e energias não sei quê.