"

My Photo
Name:
Location: Portugal

11 October, 2006

Xôr Agente


A polícia. Ninguém gosta da polícia. Nós também não. Mas vale a pena reflectir sobre ela, quando são os nossos impostos que a pagam. A conclusão é simples: a polícia portuguesa, GNR e PSP - a PJ não tem dinheiro sequer para ser considerada força de segurança -, são uma anedota pegada. Por três ordens de problemas, à político: primeiro, são mal chefiadas; segundo, são mal-formadas; terceiro, trabalham pouco e não querem trabalhar mais ( é verdade, trabalham pouco, e o velho polícia de bigode, mesmo já não tendo bigode e nem girando o bastão enquanto caminha, é exactamente o mesmo.)

E há três exemplos na nossa vida terrena que exemplificam estas três ordens de razões (claro, todos podem contribuir para mais deste Portugal no seu melhor em forma de texto, deixando aí comentário claro):

1) para a primeira, podemos dizer que os "oficiais" da PSP são muito maus traçadores de mapas de patrulha, sendo que, em Lisboa, na zona de São João de Deus/Arco do Cego e Alto de São João, onde fecharam todas as esquadras há 2 anos, não está à vista solução, os assaltos multiplicam-se, e não se vê uma única patrulha em mais de duas horas;

2) para a segunda, que sabe um agente com 6 meses de formação, largado nas ruas aos tubarões? será que aprendeu a falar, a ser bem-educado, a deter alguém de uma maneira apropriada? hum... Não nos cheira. Há uns anos, num ponto alto de curiosidade, perguntamos ao conjugue de uma conhecida, que por acaso era bongó, "olha lá, se por acaso eu tivesse aqui a fumar uma ganza prendias-me?", resposta: "tinha de prender, a não ser que estivesses a fazer isso numa zona recatada", ao que reagimos "quer dizer que se eu tivesse num becozito e não chateasse ninguém era legal...", conclusão: "xim, desde que não cauje dejordem na bia pública"; aqui sim com o sotaque apropriado, o verdadeiro, o único, o figomenal: "xôr agente".

3) para a terceira, destacamos a inquestionável sapiência do "xôr agente", essa coisa fantástica, pois não é que, ao repararmos, numa Sexta-feira destas, que numa pejada Praça Camões, estavam não um, não dois, mas três agentes a multar um condutor por estacionamento indevido, alheios ao caos que por eles passava em reboliço; um segurava o bloco, o outro a caneta, e o outro falava, porém, quando interpelámos o senhor agente: "desculpe senhor agente, não está a ouvir estes táxis a apitar à noite ao seu lado, estão três colegas a passar uma multa? Não é uma contra-ordenação grave?", ao que responde o polícia: "Pois, sabe, nós não coneguimos controlar tudo."

Ah, não referimos o uso privado das forças de segurança pública, como constatámos no último jogo no Estádio da Luz, onde no anel de passagem exterior, no meio da multidão, inertes, 5 agentes encostados, em sentido, a um vidro... de um stand de automóveis. Perguntámos ao babilónio: "desculpe lá, estão aí só por causa do stand?", "sim" disse ele com a maior naturalidade, "5 agentes só por causa dos carros?!", "sim", voltou a dizer, desta vez com ar de quem nos queria bater. "Tá bonito, tá bonito", dissemos nós caminhando para a saída. De quem é o stand? Isso gostávamos nós de saber. Em nossa casa temos um gato, que gosta de fugir, onde é que nos podemos inscrever para ter agentes só ao meu serviço? Ah, 5 agentes na Avenida de Roma de certeza também não resolvem nada! Mais vale guardar os carros, que são de alguém mais importante que essas velhinhas dos primeiros andares.

Isto são exemplos "light", de certeza que os há melhores, mais chocantes e mais hilariantes, e outras coisas acabadas em antes (falta, por exemplo o terrorismo das operações stop, mas vá, antes pensem vocês já parecemos velhos a debitar no café)

Vale a pena pensar... (que dica)

PS: A fotomontagem é mesmo má, não é a gozar.

2 Comments:

Anonymous Bigsis said...

é msmo muito grave quando a opinião generalizada, ou pelo menos da maioria, é má em relação às forças de segurança pública.
E a verdade é que é mesmo má, o pensamento habitual em relação à presença da autoridade normalmente é: Lá vem o bófia chatear/lá está o bófia a chatear. Ou seja inconsciente ou conscientemente o "bófia" serve pra chatear, quando deveria ser exactamente o oposto.
Não concordo, no entanto, quanto à PJ, funcionam razoavelmente. Muito mais quando comparada com as outras forças policiais.

9:01 AM  
Anonymous Lauri said...

Ninguém gosta de multas..é verdade, e eu também preferia estar à vontade e não ter que me preocupar com as operações stop...e a forma como nos tratam assim que baixamos o vidro...muitas vezes é um terror, de facto! Mas não me faz confusão que eles andem aí pelas ruas..a menos que eu esteja a praticar "o mal". (how convenient!). Ao invés, faz-me confusão quem deseja vir a ser polícia. Mas não gostaria de avançar com mais críticas, porque é necessária a existência da bófia, e disso não têm culpa eles!!

Também se tem demasiadas vezes a sensação de que estão onde não devem estar e não estão onde é preciso...mas isso já é outra história.

Mal comparado: assim como o nosso País precisa de ser bem vendido e é urgente criar-se uma boa imagem do país Portugal, tal como se cria para uma marca, também a Polícia tem que fazer um esforço para alterar a imagem da opinião pública. Qual é o posicionamento da "marca" Polícia? Será que é normal a maioria dos portugueses terem esta imagem tão negativa? Não há respeito sequer! Se eles fossem todos como os "carabinieri"...

O exemplo tem que vir de "xima" e neste sentido estamos muito mal em Portugal e é a vários níveis..mas isso também são outras conversas..

12:54 PM  

Post a Comment

<< Home