"

My Photo
Name:
Location: Portugal

27 September, 2006

Qual é o contrário de partir? Ficar ou voltar? (segunda volta)


Se há leitores deste blog, é favor dar-se provas de literariedade fast-food (hã, hã, muito Blitz!) e escrever no comentário qual a vossa resposta. A grande questão ao lançar-se este desafio é saber mesmo: "Is there anybody ou there", afinal? Por isso, e mais uma vez: Qual é o contrário de partir? Ficar ou voltar? (não é preciso número do B.I., Contribuinte, Morada, Número de Telefone ou email, mas um pequeno nome não ficava mal).

24 September, 2006

Nova entrada n' A Bola Preta: "Como se Olivaliza um Vitória de Guimarães"

Segunda conclusão da noite deste fim de semana: O BA


Quem diria? Quem diria que aquelas, outrora, passereles de decadência urbana seriam alvo da atenção autárquica e das juventudes abastadas da capital. Quem diria Bairro Alto, que, com essa cara lavada, serias o que és hoje? Longe vão os tempos da periclitante estadia junto à porta do bar, sempre alerta quanto a eventuais arrastões que pudessem marchar desde o fim da rua. Hoje, já não se ouve "olha, vem ali mitra", já não se foge para dentro dos bares e faz-se a Rua do Alecrim sem olhar por cima do ombro.
A parte do "mais limpo, mais seguro" é o aspecto positivo. A parte dos magotes de pessoal e de bares glamour com porteiro na entrada é o mau. Tiraram-nos o Bairro Alto, pelo menos o Bairro Alto Indiana Jones como antes. Não sabemos o que preferimos, mas aquele caos de hoje em dia, e a falta de proximidade antiga não é de certeza. Limparam o lixo do BA, e com ele o espírito do ancião buraco dos lisboetas audazes. Já está, já foste.

Da Providers? Mas porquê?

Não percebemos, as modas são impressionantes. Depois de, no ano que passou, o reggae estar na moda, o que agora é mesmo "in" é ir à "festa de Providers". Mas desde quando é que o progressivo se tornou moda pá meninada? Isto há coisas estranhas neste nosso Portugal, mas quando coisas estranhas há, é sempre tudo normal.

19 September, 2006

INOV Contacto: Vive dos teus conhecimentos!


O que é que estás a aqui a fazer meu amigo? És licenciado? Queres fazer um estágio profissional no estrangeiro? Tens cunha no ICEP? Não és lá muito esperto, mas consegues fazer o que te pedem? Podes ir a três entrevistas? Então força, meu amigo! Inscreve-te já no programa INOV Contacto, o programa onde não são só os melhores a irem desvairar para terras estrangeiras com remuneração proveniente de dinheiros públicos! Pelo que esperas?
Para o ano, por volta de Maio - este ano toda a gente que conhece alguém do ICEP já se inscreveu - não te esqueças de fazer o registo no site do ICEP para o programa INOV Contacto! As vagas que sobraram para quem entra por mérito já estãoa ser ocupadas. Por isso, se achas que tens mérito, mas não tens cunha, joga pelo seguro! Arranja uma cunha até Setembro de 2007, e, quem sabe, para o ano, não estarás no Brasil a trabalhar, a viver numa casa ao pé do mar, tudo incluído no orçamento de Estado. Tudo isto mesmo que sejas inconpetente, tenhas más notas e sejas pouco inteligente! INOV Contacto: só tens de conhecer alguém lá dentro!

15 September, 2006

A Porta do Ser ou Não Ser


Esta porta tem muito que se lhe diga. Passar por ela é, para muitos, uma subida na escada social, e por ela entrar sem pagar consumo mínimo é o jubileu de muitas mentes com fome de serem alguém. Exactamente, este Stargate português é a porta do Lux. Este promontório para o "outro lado" tem muito que se lhe diga, apesar de já ter perdido um pouco do seu brilho elitista, anteriormente comandado por um senhor que se chamava Miguel. O Miguel do Lux era uma personagem que toda a gente queria conhecer, e mesmo quem não conhecia conhecia-o. Era muito engraçado. Agora o Miguel foi-se, deixando para trás o "pela esquerda" e o "pela direita", prática que se mantém agora com a Amiga Olga, com um menos bom aspecto que o seu antecessor, mas que continua a conseguir imprimir nas mentes fracas um sentido de exclusividade instantâneo, quando as palavras "pela direita por favor" lhe saem da boca.
Ainda assim, a futilidade de "passar pela direita no Lux", expressão já institucionalizada, não deixa de ser infrutífera, já que 12 euros, o que quem vai "pela esquerda" paga, são duas bebidas brancas. Ora, diríamos que 80% das pessoas que frequentam a casa dos sucessos bebe pelo menos duas bebidas brancas; logo, bradar aos sete ventos que se passa "pela direita" é só e simplesmente uma mostra de afirmação social, ainda que muitos dos que publicitam esta prática digam "o quê? achas que sim? não meu, é só para não tar nas bichas das bilheteiras que é uma ganda seca meu, tás a ver" (normalmente isto vem depois do, "o quê? no Lux entro sempre pela direita"). Quem passa pela direita no Lux é especial, é alguém que está acima do normal poveco, alguém com o condão da exclusividade. É este o estatuto que gostam de dar ao facto de se ser cliente habitual e a casa confiar que este otário, pelo menos, vai largar aqui 12 euros por duas bebidas, o que nos paga, pelo menos, 3 garrafas.
Nós, se fossemos clientes habituais do Lux, concerteza passaríamos pela direita sem propangadear esse previlégio dado àqueles que já lá gastaram rios de dinheiro em álcool ao longo destes anos. Mas pronto, mentes inseguras, mentes à procura de protagonismo, mentes que raramente se distinguem na vida com alguma coisa, é para elas o mariposeio da porta do Lux, uma grande mais-valia nesta vida, hã! Querem-se convencer a si mesmos e aos outros que entram porque são bonitos, fixes, sociais, conhecidos, "coois" (de "cool"), na moda. Às vezes até são, hã! Ninguém disse o contrário!
Apesar de o elitismo luxiano ter esmorecido um pouco, a exclusividade e a deferência são coisas que os portugueses adoram. Os que estão numa escala inferior compactuam com os que estão acima de si, na esperança de um dia, se lá chegarem, haver novos inferiores que lhes encham o peito de cordialidades. É assim à porta do Lux, é assim nas universidades quando se quer falar com algum professor "muitá bom", é assim nos hospitais quando se quer falar com o "senhor doutor", é assim, é assim; para se chegar a esses Kwisatz Haderachs, esses "super-beings", uma pessoa tem de se esforçar, é assim mesmo, ou achavam que eles eram pessoas iguais a vocês não? Isso é que era bom! E é assim o ser humano, mas realmente: o português é mesmo o mais "humano" do mundo.

12 September, 2006

Nova entrada n' A Bola Preta: "O Arranque da época por Alberto Caeiro"